Mapeamento de creators é muito mais do que achismo

No mundo frenético das redes sociais, onde todos se tornaram criadores em potencial, a contratação de creators se tornou uma verdadeira pastelaria para muitas marcas. O motivo? O famoso "gostar do creator". Mas será que esse é o único critério que as marcas deveriam considerar ao escolher seus parceiros de influência? Bem, parece que estamos diante de um grande equívoco, e é hora de desvendar o que realmente importa quando se trata de mapeamento de creators.
Sep 18 / YOUPIX

A armadilha do "escolhi porque gostei"

Vamos encarar a realidade de frente: a maioria das contratações de creators acontece simplesmente porque alguém da equipe de marketing "gosta" do influenciador. Mas, aqui está a verdade dolorosa: isso não é suficiente, muito menos assertivo. A afinidade pessoal não deve ser o único critério de escolha.
E é aqui que entra a diferença entre o que acham que é mapeamento e o que realmente é!

Portanto, se você está escolhendo seus creators apenas com base em preferências pessoais, é hora de repensar sua abordagem.

Os critérios esquecidos

Para um mapeamento eficaz, é fundamental considerar critérios mais sólidos. Além da afinidade, você precisa avaliar a audiência do creator, o conteúdo que ele produz, questões jurídicas, autoridade no nicho de atuação, relevância, periodicidade do conteúdo, veracidade das informações, engajamento e autenticidade.

Lembre-se de que estamos lidando com a reputação e a imagem da sua marca, e escolher creators alinhados com seus valores e objetivos é fundamental para o sucesso da parceria.

Influenciadores como expressão de valor da marca

Quando você anuncia no intervalo da Globo, não está se conectando com os valores da Globo. Mas quando trabalha com um influenciador, sua marca se associa aos valores desse influenciador e passa a ser simbolizada por ele.

O que isso significa? Que você deve escolher minuciosamente a quem você vai dar voz para contar e/ou representar a história da sua marca!

Mapeamento além do óbvio

O processo de mapeamento de creators deve ir além do óbvio. Isso significa realizar estudos aprofundados, como:
  • Analisar detalhadamente os perfis levantados.
  • Avaliar o potencial criativo de cada creator.
  • Considerar o potencial de execução com base em seus recursos criativos e técnicos.
  • Identificar pontos sensíveis ou polêmicos para as marcas.
  • Levar em conta critérios tangíveis, como impacto, engajamento e visibilidade.

Comece o processo de mapeamento com critérios específicos que garantam a harmonia não apenas com a marca, mas também com os objetivos e ações propostas.

Ferramentas são aliadas e não a salvação

As ferramentas são essenciais para validar e agilizar o processo de mapeamento, mas nunca devem ser usadas como substitutas da análise humana. Elas podem ajudar a:
  • Reduzir o tempo de busca.
  • Comparar métricas e pontuações.
  • Manter um histórico de pesquisas.
  • Identificar creators com seguidores comprados ou falsos.

Lembre-se de que o gerenciamento de todo o processo, desde a busca até a análise de dados, requer uma visão estratégica.

Conheça seus influenciadores a fundo

Transforme o "achismo" em dados concretos. Investigue os valores e a linguagem do influenciador. Estude seu conteúdo e contexto para criar formatos que façam sentido para ele e para sua marca. Seus valores precisam estar em sintonia.

Faça perguntas como:
  • Como ele chama sua comunidade?
  • Quem são seus melhores amigos?
  • Ele mostra sua família? Como ela é composta?
  • Quais produtos ele está usando?
  • Existem quadros que rolam apenas nos stories?

Coloque todos esses critérios em uma planilha para comparar suas opções e tomar decisões baseadas em fatos concretos, não em suposições.

Se você precisa de 20 creators, esteja disposto a mapear 40, e não tenha medo de criar novos perfis e explorar hashtags para encontrar nomes em ascensão.

A importância da diversidade

O que acontece quando não há diversidade na escolha dos creators? Esteticamente, suas campanhas podem se tornar monótonas. Sua audiência não experimentará influência genuína, apenas publicidade. Sua marca perderá a oportunidade de se conectar com diversas comunidades, mesmo dentro do mesmo nicho. Criativamente, seus resultados serão limitados.

A curadoria deve ser abrangente, levando em conta questões de raça, gênero, causas indígenas, LGBTQIAP+, capacitismo e muito mais. O todo é tão importante quanto o indivíduo, então, ao montar seu time de influenciadores, leve em consideração:
  • Diversidade de corpos, idade, sexo e cor de pele.
  • Representatividade regional.
  • Estilos criativos complementares.
  • Habilidades de entrega para cada etapa do funil.
  • Capacidade de co-criação.
  • Atributos alinhados à marca.

Em resumo, o mapeamento de creators não é uma tarefa simples que envolve "gostar" ou não de alguém. É um processo estratégico que requer critérios específicos, diversidade, pesquisa aprofundada e ferramentas como aliadas. Quando feito corretamente, o resultado pode ser uma parceria sólida e autêntica que reflete os valores e objetivos da sua marca. 

Então, deixe o achismo de lado e comece a mapear seus creators de forma inteligente e estratégica. Quer aprender a nossa metodologia de mapeamento, validada por marcas como Ambev, LATAM, Electrolux, Magalu, Itaú? No IMP, curso de Marketing de Influência da YOUPIX, a gente te ensina, entre vááárias outras coisas, a escolher de forma minuciosa e assertiva os nomes pra sua próxima campanha. Vem com a gente!

Criado com